Ronco e Apneia

O que é a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono? (SAOS)

Apnéia significa “sem respirar” ou “sem ar”.  Quando estamos dormindo, os músculos que controlam a língua e o palato mole devem manter as vias aéreas abertas para a passagem do ar.  Devido a um relaxamento exagerado desses músculos durante o sono as vias aéreas se estreitam e podem até ficar completamente obstruídas, causando desde dificuldades respiratórias e ronco, até impedimento total da respiração, dependendo do nível de obstrução na nasofaringe, palato mole e retrofaringe. Este distúrbio é denominado Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS).

O indivíduo que tem essa síndrome possui um sono de baixa qualidade e não reparador, pois essas paradas respiratórias repetitivas ao longo da noite diminuem a oxigenação do organismo e, quando o cérebro percebe a falta do oxigênio (geralmente entre 10 e 120 segundos após a parada), rapidamente desencadeia uma descarga de adrenalina para que o corpo acorde, gerando esses ciclos de microdespertares, que podem ocorrer centenas de vezes em uma noite, fragmentando o sono e impedindo que a pessoa atinja os seus estágios mais profundos.


Quem são as pessoas mais atingidas pela SAOS?

A apnéia do sono se manifesta em todas as faixas etárias e em ambos os sexos porém é muito mais comum nos homens (principalmente os que estão acima do peso e com mais de 35 anos).e em mulheres na menopausa. Pesquisas estatísticas constataram que cerca de 50% da população brasileira ronca ou se queixa de má qualidade de sono.

Quais sãos as causas da SAOS?

Os distúrbios do sono podem ter diversas causas. Nos homens, por exemplo, a própria testosterona (hormônio masculino) causa um relaxamento maior da musculatura da garganta e língua durante o sono, contribuindo para o colapso entre os músculos nessa região e o estreitamento das vias aéreas. Além disso, sua maior tendência em acumular tecido gorduroso ao redor do pescoço, no tórax e no abdômen também resultam em dificuldades na respiração. A situação pode se agravar se a pessoa bebe, fuma e/ou é sedentária.

Um fator muito relevante para ambos os sexos é a mandíbula (queixo) pequena ou posicionada para trás, pois deixa a passagem de ar anatomicamente mais estreita na região do palato mole e garganta e favorece a ocorrência dos roncos e das apnéias. Além disso, quando a mandíbula está muito retruída (para trás) ela favorece o deslize da língua em direção às vias aéreas, obstruindo-as. Quando a língua está em equilíbrio muscular, em sua posição de repouso sua ponta fica entre os dentes incisivos centrais superiores, mas muitas vezes, devido à desarmonias de bases ósseas e arcos dentários muitos estreitos, essa posição natural fisiológica da língua não acontece e ela acaba se posicionando mais para trás e para baixo durante o sono, favorecendo também o surgimento do ronco e da SAOS.


Quais são os sinais e os sintomas causados pela SAOS?

O sono de má qualidade causado pela Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono reflete em toda a rotina do indivíduo pois, além dos roncos fortes (que são frequentemente interrompidos por silêncio e seguidos de uma respiração ofegante), essa síndrome provoca um quadro sintomatológico vasto, incluindo mau humor, dores de cabeça ao acordar, desconcentração, perda de memória, irritabilidade, cansaço constante e sonolência excessiva durante o dia, o que acarreta em uma diminuição muito significativa em sua qualidade de vida. Com o passar do tempo, esse sono fragmentado começa a desencadear alterações metabólicas sérias no paciente, o que aumenta demasiadamente a sua suscetibilidade à doenças crônicas, como alterações cardíacas e vasculares, depressão, hipertensão, obesidade, diabetes, queda da imunidade, diversos tipos de câncer, impotência sexual, deterioração intelectual e derrame (AVC).

Como se trata a SAOS?

Efetivamente ainda não foi descoberta a cura para o ronco e apnéia. Atualmente existem tratamentos para melhorar a respiração durante o sono e evitar que o ronco e a SAOS ocorra, devolvendo qualidade de vida às pessoas que padecem desses distúrbios.
Os tratamentos mais comuns e mais aceitos do ronco primário e das apnéias obstrutivas leves e moderadas do sono são com os aparelhos ortopédicos intra-bucais que provocam um leve avanço na mandíbula (queixo) para evitar que a língua deslize em direção à garganta e obstrua a passagem de ar durante o sono. Esses aparelhos oferecem ótima adaptação, são pequenos e facilmente transportados a qualquer lugar. Atualmente são recomendados pela maioria dos médicos no mundo inteiro e já estão promovendo alívio a milhares de pessoas que sofrem de SAOS.
Associados à este tratamento, podem ser feitos também exercícios fonoaudiológicos para tonificar a musculatura da garganta, além de medidas comportamentais para modificar hábitos inadequados relacionados ao sono.

O Sistema HGS-RA

O Sistema HGS-RA se constitui em um dispositivo ortopédico intra-bucal, que promove uma mudança de postura terapêutica da mandíbula (leva o queixo mais para a frente e o mantém nessa posição anteriorizada) e, associando o encapsulamento oclusal e a altura das pistas, gera um aumento vertical e um ganho póstero-anterior considerável, aumentando o espaço da língua e projetando-a mais para a frente, o que favorece uma maior permeabilidade para a passagem do ar, melhorando a ventilação e a respiração durante sua utilização todas as noites, e reestabelecendo a qualidade do sono e de vida dos portadores da SAOS.
O aparelho HGS-RA é removível, articulado e muito confortável. Com ele você consegue falar, bocejar, fazer movimentos para um lado e para o outro e de abertura e fechamento da boca com estabilidade e conforto, podendo desfrutar de uma noite de sono profundo e relaxante.

Se você ronca e/ou é portador da SAOS, agende sua consulta e redescubra o prazer de dormir bem!

Encontre-nos!

INSTITUTO HGS
Av. J.K. de Oliveira, 580 - Campo do Galvão
Conjuntos 12, 23 e 24
Guaratinguetá-SP 12505-300
(12) 3132-1964 | (12) 3126-1390
NO RIO DE JANEIRO
Clínica Telma Rocha
Avenida Epitácio Pessoa, 3724 - Lagoa 2° andar
Rio de Janeiro-RJ
(21) 2266-6610 | (21) 2286-1767
Instituto HGS 2017 - Todos os direitos reservados